Nova Ponta da Praia: orla terá quase o dobro de árvores

Todo o trecho da Avenida Almirante Saldanha da Gama compreendido pela Nova Ponta da Praia de Santos, entre a Avenida Coronel Joaquim Montenegro (canal 6) e o Ferry Boat, terá quase o dobro de árvores após a conclusão das obras, passando de 250 para mais de 450. Chapéus-de-sol, quaresmeiras, ipês e guanandis irão compor o cenário da orla, garantido mais sombra e mais áreas verdes aos munícipes. E, enquanto estão sendo providenciados plantios e replantios das espécies, equipes da Prefeitura trabalham na instalação de postes com iluminação LED, que vão gerar economia, mais iluminação e segurança para aquela região.

Na manhã desta segunda-feira (21), o prefeito Paulo Alexandre Barbosa realizou nova vistoria nas obras e comentou sobre a preocupação da Administração Municipal com a sustentabilidade, meio ambiente e acessibilidade.

"É uma obra preservando e ampliando áreas verdes. Serão mais de 450. Esse é o nosso objetivo. Estamos avançando bastante e agora o mobiliário (bancos e lixeiras) está sendo instalado no Trecho 1, dando novo aspecto ao local. Temos ainda um calçadão com piso de concreto liso para facilitar acessibilidade e mais iluminação, que será diferenciada". O Trecho 2 também está recebendo mobiliário e postes de iluminação.

Esses trechos do projeto Nova Ponta da Praia foram divididos da seguinte forma: Trecho 1 (Av. Bartolomeu de Gusmão, entre a Av. Coronel Joaquim Montenegro e Rua Carlos de Campos), Trecho 2 (Av. Almirante Saldanha da Gama, entre as Ruas Carlos de Campos e Ministro Daniel de Carvalho), Trecho 3 (Av. Almirante Saldanha da Gama, entre a Rua Ministro Daniel de Carvalho e a Praça Almirante Gago Coutinho) e Trecho 4 (entre a Praça Almirante Gago Coutinho e a Avenida Mário Covas).

De acordo com o gestor do projeto, Glaucus Farinello, no Trecho 1, por exemplo, havia 16 árvores. Ao final das obras, serão 29. "Criamos mais espaço para árvores do que tinha. Estamos transplantando espécies para ilhas novas, trazendo algumas do Trecho 2 para o 1, mantendo chapéus-de-sol e incluindo espécies nativas, como ipês e paineiras".

O processo incluiu ainda renivelar a calçada no Trecho 2, onde as ressacas causavam problemas às árvores. "A água formava uma ilha de água salgada no pé das plantas, comprometendo o crescimento delas ao longo dos anos. Tínhamos uma linha de arborização nos passeios e transplantamos várias árvores, mantendo chapéus-de-sol maiores, que não sobreviveriam a um replantio". As travessias de pedestres têm canteiros que receberão ipês ou paineiras.

A calçada do lado dos prédios também será contemplada, ganhando 80 quaresmeiras, outra espécie nativa. No canteiro central, as palmeiras e coqueiros foram redistribuídos e outras palmeiras foram plantadas. Na calçada do lado da praia, há vários canteiros verdes.

GUANANDIS

Farinello frisou que, há cerca de 15 anos, onde hoje é o Trecho 2, e que tinha problemas de caimento das calçadas, as árvores foram plantadas em tubos de concreto, de forma a impedir que suas raízes danificassem os passeios. "Acreditava-se que a raiz desceria para depois procurar seu caminho, o que não ocorreu. Agora elas não têm porte nem desenvolvimento adequado, além de patologias (doenças)". Alguns chapéus-de-sol, uma planta asiática, estavam tomados pelo parasita conhecido como erva de passarinho.

"A solução para aquele trecho que já não tinha árvores que gerassem a tão sonhada sombra foi plantar 40 unidades da espécie guanandi, que é nativa e de grande porte, proporcionando sombra e contribuindo com a fauna local".

Farinello alertou que as árvores acabaram de ser plantadas, por isso levará alguns meses para que se desenvolvam.

Viário até dezembro

Outra frente trabalha na pintura das muretas e sinalização da pista nos trechos 1 e 2. A ideia, conforme Farinello, é concluir toda a parte viária (que compreende calçadão, sinalização, iluminação e arborização) dos três primeiros trechos até dia 15 de dezembro.

"O Trecho 4 não entra porque terá edificações que demandarão outras intervenções", esclareceu, referindo-se à construção dos novos Centro de Atividades Turísticas (CAT) e Mercado de Peixes.

Também até 15 de dezembro devem estar prontas as novas rampas náuticas, que estão sendo refeitas conforme as condições da maré e previsões de ressaca.

 

ILUMINAÇÃO

O primeiro poste de lâmpadas LED já está instalado no Trecho 2. Ao todo serão 70, sendo entre 10 e 15 nos trechos 1 e 2 possivelmente colocados e energizados até sexta-feira (25), dependendo das condições do tempo.