Brasil recua em ranking global de percepção da corrupção

O Índice de Percepção da Corrupção é medido desde 1995 e faz uma combinação de resultados de 13 pesquisas e estudos sobre o assunto.

O Brasil caiu mais uma posição em 2019 e ocupa agora o 106º lugar do ranking da Transparência Internacional que mede o Índice de Percepção da Corrupção. A lista divulgada nesta quinta-feira (23) conta com 180 países e territórios.

As notas variam de 0 a 100, sendo que zero significa que o local é percebido como “altamente corrupto” e cem indica que é tido como “muito íntegro”. No ano passado, o Brasil continuou com 35.

É o mesmo índice de 2018 e a pior pontuação registrada pelo país desde 2012.

O coordenador de pesquisas da Transparência Internacional no Brasil, Guilherme France, acha que a má avaliação pode ser resultado de revelações de esquemas de corrupção.

“A partir do momento que esses esquemas são revelados, se aumenta a percepção de que há corrupção no Brasil. O que a gente esperava era que a partir do resultado houvesse uma motivação dos agentes políticos para que reformas amplas e estruturais fossem realizadas.”

O Índice de Percepção da Corrupção é medido desde 1995 e faz uma combinação de resultados de 13 pesquisas e estudos sobre o assunto, feitos por várias instituições.

Segundo Guilherme France, a recomendação da Transparência ao Brasil é que haja a implementação das reformas.

“O que nós esperamos para 2020 e para que o Brasil reverta essa tendência de queda é que essas reformas que estão sendo discutidas pelo Congresso sejam aprovadas pelo Congresso e sancionadas pelo presidente da República.”

A queda de 2019 foi a 4ª seguida do Brasil no ranking.

Com o resultado na lista, o país fica ao lado de Albânia, Mongólia, Costa do Marfim, Macedônia, Argélia e Egito.

*Com informações da repórter Camila Yunes